O *asterisco* e a censura paradoxal: mostrar e esconder

but moreover, ***

Lawrence Sterne, The Life and Opinions of Tristram Shandy, Gentleman, ch. 263.

 

Conversa privada

Um dia, estando eu a falar com um amigo francês via Skype, de repente, no decorrer da conversa, escapou-lhe a palavra dita de Cambronne (um oficial do exército de Napoleão I), reinterpretada em « merdre » por Alfred Jarry, o pai do rei Ubu. Há duas formas de escrevê-la: uma incompleta,  « m… » e a outra, completa, « merde ». Embora lexicalmente classificada como calão, nada mais corrente, dir-se-ia vital, do que essa exclamação: mortalmente ferido em Paradise Island (The Bahamas) pelo familiar de um tycoon local, Gérald Hervé disse « Et puis merde qu’on en finisse » antes de entrar em coma (H. Baudry, Gérald Hervé, Vies et morts d’un écrivain, Paris: L’Harmattan, 2011, p. 239). A voz não profere asteriscos, como o prova a frase do chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, em entrevista no dia 4 de janeiro de 2022.

Para mim, a conversa com o amigo ganhou um aspeto muito especial quando reparei que, depois de ter acionado por acaso uma nova funcionalidade do programa, tudo o que ele dizia aparecia logo transcrito sobre o meu ecrã. Se fosse surdo, lia perfeitamente o que ele estava a dizer-me. Assim, quando lhe saiu o tal « merde », surprise ! eu lia « *** ». Depois de lhe explicar o que acontecia, pedi-lhe para dizer três vezes « merde »: logo li « ***, ***, *** ». Tirei um screenshot, mostrei-lhe, rimo-nos um bom bocado. Já viram o resultado.

microcensura automática

Quanto a mim, não prossegui com a experiência, embora existam para tal em qualquer língua muitas, mas mesmo muitas palavras cobaias. Quem não gostava de conhecer a extensão lexical dos filtros da aplicação? O leitor que experimente! Limitar-me-ei aqui a refletir sobre um caso que, afinal, não era uma brincadeira, tentando descrever e explicar o que acontecera. Uma coisa é clara: não houvera erro, não era uma brincadeira. Tratava-se pura e simplesmente de censura.

Disse «censura»? Não será exagerado? Corrijo: tratava-se de microcensura.

Esta palavra apareceu há alguns anos na Internet em inglês: microcensorship. Referia-se precisamente à supressão de palavras nas redes sociais organizada dentro do sistema de comunicação. Mas que haja palavras ou expressões que pareçam intoleráveis de ouvir ou escrever a alguns indivíduos ou instituições, não é uma novidade. Não se inventou nada desde o apagamento dum nome nas estátuas da Antiguidade egípcia ou greco-romana segundo a «damnatio memoriae» (vejam Charles W. Hedrick Jr, History and Silence: Purge and Rehabilitation of Memory in Late Antiquity, Austin: University of Texas, 2000) até o retângulo preto sobreposto às passagens escritas ou um bip cobrindo uma voz na radio ou na televisão. Os fenómenos abrangidos apresentam deveras uma grande variedade. Esta censura, chamemo-la de cirúrgica, foi particularmente expandida nos séculos que se seguiram a invenção da imprensa. Dava-se-lhe o nome de «expurgação».

Então, deve-se entender que o Skype integra algoritmos censórios? Sim. Acrescente-se: a purificação das mensagens, aqui, passa pelo uso de um truque tipográfico cuja história interessa traçar.

  • O * na cultura escrita e impressa

A palavra «asterisco» vem do grego e significa estrelinha.

A sua polivalência histórica foi resumida por Francis Thibaudeau nesses termos:

Os asteriscos eram conhecidos nos dias de Aristófanes, Origenes, São Jerónimo e São Gregório, em manuscritos gregos e latinos. Eles eram mostrados sob forma de uma pequena estrela ou em * confinados a quatro pontas. Foram utilizados para usos diversos: marca de omissão ou restituição de texto; sinal de significado truncado; sinal de frases perturbadas; índice de máximas, das frases mais marcantes de uma obra; índice de adição ao texto. É neste último que têm sido mais utilizados. (Francis Thibaudeau, la Lettre d’imprimerie: origine, développement, classification & 12 notices illustrées sur les arts du livre, Paris: Bureau de l’édition , 1921, tome 1, p. 73).

Portanto este símbolo era utilizado para assinalar diversos factos filológicos de ambos os lados da anotação textual: acrescentar ou suprimir. Porém, sem brincar, o asterisco nunca fica longe do obelisco:

Jacques Melot lembrou acertadamente que asterisco e obele estão intimamente ligados, que o primeiro está associado a uma falta e o segundo a um acréscimo. Isso é verdade e é muito preocupante … porque esses dois signos também foram associados para indicar os dois marcos de nossas vidas. O asterisco (a falta …) para a data de nascimento, o obele (a adição) para a data de morte, para a morte (papel que ainda é seu)… (Jean-Pierre Lacroux, Orthotypographie. Orthographe & Typographie françaises. Dictionnaire raisonné, 2007-2009, Vol. I, p. 304. [Em linha] URL: http://www.orthotypographie.fr/intros/telecharger.html; ver também A. Grafton, G. W. Most & S. Settis, The Classical Tradition, H.U.P., 2010, p. 83.)

Como signo para acrescentar texto, a posição mais conhecida do asterisco é de expoente após uma palavra para servir de chamada de nota[1]. E a sua história é intimamente ligada a um dos eventos decisivos do pensamento ocidental, a invenção da nota de rodapé.

Nesta primeira página da edição original do Dictionnaire historique et critique de Pierre Bayle (Rotterdam, 1697), vemos, na linha 2 do texto principal, o asterisco na sua função de chamada de nota para referência bibliográfica enquanto para a anotação crítica são usadas as letras do alfabeto, linhas 1 e 7, permitindo uma série mais aberta do que a dos signos tipográficos começando pelo asterisco (, …). No entanto, todos contribuem para esta revolução na historiografia europeana (ver Anthony Grafton, Les Origines tragiques de l’érudition. Une histoire de la note en bas de page, Paris : Seuil, 1998, p. 146-167).

Com toda a razão, o gramático Duarte Nunes de Leão, explicou o seu uso, doravante, na tipografia portuguesa: usam-se os asteriscos «quando se notão alguns versos, ou palavras, que faltavam em autor ou quando querem mostrar algumas palavras, que são dignas de se notar» (Orthographia da lingoa portuguesa, Lisboa: João de Barreira, 1576, f, 78 rº; [em linha]. URL: http://purl.pt/15/3). Signo paradoxal, o asterisco tornou-se de uso comum no mundo da crítica textual e, no sentido lato, da edição. Quanto à sua especificidade em assinalar uma ausência, o Dicionario do livro explica mais detalhadamente que «dois ou três asteriscos seguidos marcam, em geral, a omissão de algumas letras numa palavra ou qualquer expressão menos correcta […]» (M. I. Faria & M. G. Pericão, Dicionário do Livro, Coimbra: Almedina, 2008, p. 111). O que mais interessa aqui é a conjugação das noções de omissão e de correção. Omitir significa suprimir, sendo o menos correto o alvo desta ação: dois ingredientes fundamentais num processo microcensório cuja especificidade é assinalar a operação supressiva de conteúdos indesejáveis.

Um uso técnico do * na tipografia, a que os historiadores do livro do século 18 estão habituados, dá-se com o «cartão»: trata-se de uma folha reimpressa que substitui a original por ter sido corrigida ou censurada (ver «Cartão», Faria & Pericão, op. cit., p. 215; para um excelente exemplo da análise dos cartões, ver Madeleine Alcover, «Cyrano et la censure: l’état cartonné des Lettres de 1654, in Cyrano relu et corrigé, Droz, 1990, p. 3-27). De relembrar que o escritor francês Cyrano de Bergerac tinha a pena mais aguda do que o nariz da personagem fictícia do famoso drama.

Com efeito, o asterisco tornou-se um auxiliar da censura tipográfica. Jacques Drillon explicou (traduzo) que «quando o asterisco dissimula (em francês «masque») um nome próprio, os linguistas nomeiam-no «asterónimo». Pode ser usado para esconder nomes verdadeiros. Em tempos de censura, assinava-se frequentemente os escritos com uma letra inicial seguida por um asterisco» (J. Drillon, Traité de la ponctuation française, Gallimard, 1991, p. 429). Apagar assim um nome era um procedimento comum, houvesse (auto-)censura ou não. Na ficção literária, escrever, por exemplo, «Sr.***, Sra.***», cria paradoxalmente, mas eficazmente, uma ilusão de existência. Censura ou não, através dos jogos da anonimização, falar-se-á no asterisco como signo de abreviação de discrição.

Vejamos o percurso ao longo dos tempos, desde os filólogos alexandrinos do início da era cristã até à época moderna: a estrelinha assinala uma ausência seja involuntária (os textos antigos são errados), seja voluntária (um texto não pode exibir tudo). A microcensura fica claramente deste lado: se vem do autor, falar-se-á em autocensura, o que acontece quando uma palavra menos própria é amputada, ficando só com a letra inicial, como, por exemplo «c***» ou ainda «m***»; senão, lidamos com censura tout court, isto é uma supressão parcial da mensagem por terceiros. Mas o que é notável neste caso é que, contrariamente à microcensura comum, que apaga ou deixa em branco, os * têm uma função de sinalização.

Um médico francês do século 16, Laurent Joubert, viu a primeira edição dos seus muito difundidos Erros populares expurgada de palavras tidas como obscenas. ** assinalaram os capítulos expurgados na edição seguinte. No século 17, edições ditas ad usum Delphini (para uso do Delfim, filho do Rei de França, Luís XIV) dos clássicos da Antiguidade foram assim expurgadas de versos ou palavras, como se vê no extrato seguinte do poeta latino Catulo (ed. Paris, 1685):

 

Existe uma variante digamos minimalista do *: o ponto. É o signo rei da pontuação, palavra que lhe deve tudo. Usa-se individualmente. Num agrupamento de três, “…”, as reticências assumem uma missão próxima da do asterisco, sinalizando uma retenção de palavras, a omissão de um excedente a fim de exprimir diversas funções estilísticas. Entre parênteses ou colchetes, a reticência significa que, numa citação, parte de texto foi omissa. Além de três, é um substituto do asterisco censório como se vê neste extrato da edição bilíngue em latim-português (Lisboa, 1807) das odes de Horácio por António Ribeiro dos Santos (1745-1818), membro da Academia Real de Lisboa e censor régio:

Os pontos sucessivos justificam a linha ausente, os versos suprimidos para não corromper a juventude. Aqui, o verso não traduzido corresponde ao verso original censurado.

Noutro caso, foi preciso esperar mais de um século para desvendar a realidade do amor entre uma rainha famosa e o seu amante.

Trata-se aqui da primeira publicação das cartas da rainha de França, Maria-Antonieta, esposa de Luís XVI, o «cidadão Capet» tendo acabado a sua vida na guilhotina em 21 de janeiro de 1793 e a sua mulher ao 16 de outubro seguinte. Na correspondência entre a «Austríaca» e o conde sueco algumas cartas apareciam rasuradas. Esta microcensura sobre manuscrito autógrafo intrigou os historiadores, que tiveram que multiplicar as interpretações, até que a análise espectroscópica permitisse revelar os vestígios subjacentes através da camada superior de tinta (projeto REX <http://www.sciences-patrimoine.org/projet/rex-2-marie-antoinette/>). Ficou provada sem sombra de dúvida a dimensão apaixonada da relação entre ambos.

A prática dos pontilhados microcensórios não desapareceu nos nossos dias. Os editores “científicos” de um manual escolar do 12º ano aprovaram a supressão de versos da Ode triunfal de Fernando Pessoa, sinalizando-os com iguais pontilhados aos da edição de há dois séculos, como se vê na reprodução seguinte (página exposta na Biblioteca Nacional de Portugal):

  • Serão os * dispensáveis?

Em 2006, The Washington Post publicou uma lista de 238 palavras e expressões confecionada pelos serviços governamentais chineses e destinada a ajudar para o controlo dos conteúdos nos media e nas redes sociais. Como explicam os autores do artigo (https://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2006/02/18/AR2006021800554.html), dependendo dos sites, filtros substituem as palavras ofensivas com asteriscos ou até bloqueiam o conteúdo inteiro («[…] on most sites, at least some of the sensitive phrases cannot be posted at all. Depending on the site, filters replace the offending words with asterisks or block the entire message.»). Segue a lista. Mas ficou incompleta porque advertem os autores que as palavras obscenas foram omitidas («Obscenities have been withheld»): já não precisam de *.

  • Conclusão: a lei dos *

Chama-se Tóta W. Árpád, é um jornalista húngaro. Falou mal do seu povo, a começar pela família reinante, e de um príncipe da Idade Média. Teve a honra dos asteriscos de ouro.

Num artigo de 2018 em que denunciava práticas dos Orbán, veio a ironizar sobre uma figura da história do seu povo. Os textos em Húngaro foram traduzidos no Google Translator mas não revistos; em 1) as palavras para suprimir ficam marcadas em vermelho e em 2) as de substituição em verde:

1) A passagem incriminada do texto original publicado no site hvg.hu em 8.11.2018:

[…] O príncipe Árpád não trouxe à justiça seus heróis que saquearam a Europa, mas os honrou. O roubo, o incêndio criminoso e a violência – a “aventura” – não foram detidos por decisões judiciais, mas sim pela Batalha de Augsburgo. Foi lá que os fedorentos migrantes húngaros alegaram repetidamente que estavam devastando vilas e mosteiros na ausência de crime e até mesmo na sua ausência. Mas os cavaleiros europeus cagam com suas regras do jogo e sua visão de mundo iliberal e colocam o pallos neles da bunda à boca. Depois disso, os bandidos húngaros correram para casa bravamente e anunciaram que uma porra de uma grande surra estava acontecendo para a aventura.

2) A decisão da Cúria, contrariando a decisão em apelo:

[…] A Cúria concordou com a decisão do tribunal de primeira instância, segundo a qual o uso de adjetivos “fedorentos” com conteúdo “pejorativo” e “bandidos húngaros” no discurso público de hoje viola a dignidade da comunidade da nação húngara. Ele observou que, no debate público, a expressão de uma opinião condenatória é um valor protegido pela liberdade de expressão, mas a ferramenta de escrita usada para expressá-la e a especificidade do gênero da ironia não podem fornecer uma isenção irrestrita de responsabilidade por violar a dignidade humana de terceiros ou comunidades. Budapeste, 24 de março de 2021. (https://www.kuria-

3) A passagem microcensurada do artigo agora com legibilidade legalizada no site hvg.hu:

O príncipe Árpád não trouxe para o tribunal seus heróis que saquearam a Europa, mas os honrou. O roubo, o incêndio criminoso e a violência – “aventura” – não foram impedidos por decisões judiciais, mas pela Batalha de Augsburg. Foi lá que os assassinos alegaram repetidamente que estavam devastando vilas e mosteiros na ausência ou mesmo na negligência com o crime. Mas os cavaleiros europeus cagam com suas regras do jogo e sua visão de mundo iliberal e colocam o pallos neles da bunda à boca. Então eles corajosamente correram para casa e relataram que uma porra de uma grande surra estava acontecendo para a aventura. […]”

* No nosso artigo, suprimimos dois termos de acordo com o julgamento da Cúria. A sentença pode ser lida clicando nas estrelas, e o advogado da HVG se pronuncia sobre a decisão a seguir. (https://hvg.hu/itthon/20181108_Bunuldozes_hianyaban)

De reparar que a página em que foi publicada a primeira versão é a mesma da versão microcensurada (o link acima). Portanto, as partes incriminadas lêm-se em outros sítios, a começar pelo da instituição censória (ao invés de três ou mais asteriscos, um só indica um acréscimo). O censor nunca está só, o trabalho da justiça nunca é isolado: tem repercussões diretas, por exemplo, nas salas de aula e nos manuais escolares e universitários.

______________________________________________________________

[1] Como é o caso aqui.

 

 


Hervé Baudry

Hervé Baudry. Chercheur au CHAM (FCSH, Universidade Nova de Lisboa), responsable du projet TraPrInq.

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.